MÉTODO MONTESSORIANO

A nossa metodologia é baseada nas vertentes sólidas da educadora, pedagoga e médica Maria Montessori. Formada no curso de medicina, ela trabalhou com crianças portadoras de necessidades especiais e, a partir dessa vivência, desenvolveu o método montessoriano. Inicialmente aplicado em escolas de educação infantil da Itália, a filosofia de ensino desenvolvida pela educadora se espalhou cada vez mais ao redor do mundo. Hoje, empresas de sucesso como a Google e Amazon aplicam a filosofia montessoriana em seu cotidiano.

      Uma das principais características da educação montessoriana é enxergar o aluno como um indivíduo que precisa de estímulos para o seu desenvolvimento global. Dessa forma, o Método Montessori acredita que o ato de educar vai além da simples transmissão de conteúdo, sendo um momento para o seu amadurecimento social, cognitivo, emocional, cultural, entre outros.

      A metodologia montessoriana é estruturada em 6 pilares fundamentais para entender o desenvolvimento humano.

A IMPORTÂNCIA DA CASA DA CRIANÇA - VIDA PRÁTICA

As atividades de Vida Prática propostas pelo Método Montessori, na Casa da Criança fazem com que as crianças se acalmem, tornem-se sensíveis e orientem-se segundo a realidade, ajustando-se a ela e usando o domínio de si.

As atividades propõem à criança situações cotidianas de relacionamento consigo mesmas e com os outros. Com isso, aprendem que há uma maneira adequada para executar cada ação.

Entre os objetivos desses exercícios estão: preparar a criança para a vida, possibilitando-lhe independência, melhor organização interior e espacial,  principalmente refinando a coordenação motora e as habilidades manuais, preparando-a para o grafismo. Confiram algumas fotos das atividades…

Colégio Dom Barreto, Vocação de educar para a vida.

Agende uma visita

Ambiente organizado

De acordo com o método, o espaço em que o aluno será inserido deve incentivá-lo física e psicologicamente. Por isso, materiais e objetos didáticos são importantíssimos e devem estar disponíveis.

Dessa forma, o indivíduo fica livre para pegar o que precisa e organizar tudo ao final. Para Montessori, com organização da vida material também se organiza o pensamento – e esse processo deve ocorrer de maneira autônoma, partindo do próprio indivíduo com auxílio dos adultos. Não há educação sem organização. 

Autoeducação

Observando o desenvolvimento dos seres humanos, Maria Montessori concluiu que todos possuem uma habilidade inata e natural para aprender. Por meio do contato com indivíduos de seu meio, aprende-se sozinho a andar, falar, comer, interagir. Se inserido em um ambiente saudável e rico, o aluno se desenvolverá por si mesmo e coopera para o desenvolvimento de todos. O enriquecimento do ambiente com pessoas e materiais é a melhor maneira de incentivar a autoeducação. É prover os elementos necessários para que o aluno exerça suas capacidades naturais de descobrir e se desenvolver.

Educação como ciência

Uma prática pedagógica sob o método montessori busca conduzir uma aula assim como se conduz um projeto científico. Dessa maneira, os conteúdos não são transmitidos do professor aos alunos, num processo verticalizado e mecânico, mas são construídos por toda a turma, em conjunto, com a liderança participativa do professor.

Cada assunto novo, portanto, é descoberto por todos em um trabalho de investigação, raciocínio e discussão, valorizando a autonomia do aluno e o poder do coletivo. 

Educação cósmica

Para que os conteúdos da escola façam sentido, devem estar relacionados em um todo maior, em que tudo se mistura. Quando divididos, os conhecimentos ficam presos ao nível da abstração, sem nunca encontrar funcionalidade ou valor na vida prática.

Aqui, o educador precisa mostrar ao aluno os caminhos lógicos de compreender o mundo, fazendo-o assimilar as informações recebidas e estimular sua criatividade – tudo isso sob a premissa de que tudo está interligado.

Adulto preparado

Este pilar é considerado por muitos o mais difícil dentro da teoria Montessori. Isso acontece por que, em nossas práticas mais tradicionais, carregamos muitos comportamentos nocivos que podem ser difíceis de desconstruir.

De acordo com o método, o adulto deve fornecer ao aluno o ambiente e a assistência necessários para que ele realize sozinho tudo que estiver a seu alcance. Para isso, deverá ser um ótimo observador e interferir o mínimo possível, sem tolher no aluno o que ele já tem a maturidade de realizar sozinho.

     Ao notar que o aluno está concentrado em algo, o educador deve se limitar à observação respeitando o aluno e permitindo que ele conheça suas próprias habilidades e dificuldades. Mantendo-se por perto, porém, deve estar disponível para orientar e discutir, oferecendo algumas respostas e muito incentivo à investigação.

_THO4114

Criança equilibrada

No método Montessori, acredita-se que, com o ambiente adequado e a presença de um educador preparado, o aluno utiliza a liberdade com responsabilidade para desenvolver-se plenamente, de maneira equilibrada e feliz.

O aluno equilibrado entende-se um indivíduo empático e calmo, com habilidade de se concentrar e respeitar a concentração do próximo, responsável e autônomo, com autoestima elevada para realizar suas potencialidades e autocontrole para lidar com pessoas e situações.